terça-feira, 14 de novembro de 2017

Juntas Soltas: The Last Knight Voyager Optimus Prime

Enquanto seu arquiinimigo basicamente passa por uma forma alternativa diferente a cada aparição, Optimus Prime têm sido uma constante: continuidade após continuidade, o líder dos Autobots manteve ano após ano algum tipo de caminhão como forma alternativa.

E nos filmes isso não poderia ser diferente. Entre 2007 e 2011, Optimus figurou nos telões como um Peterbilt 379 com muito criticadas chamas na pintura (não sei o motivo das críticas - sua versão "Laser" em G2 tinha mais chamas e ninguém falou mal). Em 2014, no filme Age of Extinction, Optimus abandonou provisoriamente o longnose por seu clássico altmode como um Freightliner WFT

Mas a forma clássica e quadrada seria temporaria, dando lugar para um moderno e estilizado Western Star 5700 Op, acompanhado por enormes mudanças em sua forma de robô. E três anos e vários bonecos depois, o design "cavaleiro" de Prime ganhava uma versão em classe Voyager como parte da linha de The Last Knight

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Juntas Soltas: Generations Arcee

Há uma profunda carência de personagens femininas em Transformers, fruto das raízes marketeiras da franquia. Pautada na ideia de que "personagens femininas não vendem", a Hasbro e a agência publicitária Griffin Bacal foram terminantemente contra a ideia de personagens femininas na gênese da franquia - apesar dos desejos de Bob Budiansky, responsável pela idealização dos personagens, que originalmente escreveu o médico Autobot Ratchet como uma mulher (baseando o nome dela na enfermeira Ratched de Um Estranho no Ninho).

O mandato editoral e comercial era de que os Transformers eram uma espécie sem gênero (embora fossem evidentemente masculinos). As coisas não permaneceram assim por muito tempo, no entanto: em 1985, com o episódio The Search for Alpha Trion, foram introduzidas as primeiras Mulheres Autobot - mas nenhuma delas reapareceu no desenho, nem foi concretizada no plástico durante a exibição da série.

Em 1986, com Transformers: The Movie, a franquia ganhava sua primeira "fembot" recorrente, Arcee, inserida no filme por sugestão de Ron Friedman - apesar da relutância da Hasbro e da Harmony Gold. Friedman pressionou pela adição de uma Autobot pois sua filha era fã da série.

Criada como um pastiche de Leia Organa, uma "garota de ação" e um improvável interesse romântico para os heróis Hot Rod, Springer e Ultra Magnus (resultado da falta de comunicação entre os roteiristas, que faziam questão de pareá-la com alguém - mas sem haver consenso de quem). A caracterização de Arcee passou por muitos problemas -e  apesar de seu destaque nos anais da franquia, por espantosos Vinte e Oito Anos a personagem seguiu sem nenhum boneco feito especificamente para representá-la. Versões de continuidades posteriores da mesma foram lançadas em Energon, Prime e Animated, enquanto a original era representada apenas na forma de redecos, retools e estatuetas.

Isso é, até 2014, com o primeiro boneco feito especificamente para ser a Arcee de Geração um, em Generations. Projetada por Hironori Kobayashi (contratado justamente por um custom da Arcee), a figura veio para sanar uma lacuna de quase três décadas.

domingo, 22 de outubro de 2017

Juntas Soltas: Titans Return Loudmouth

Titans Return trouxe de volta uma penca de velhos Headmasters, atualizando personagens praticamente intocados desde 1987 para os tempos modernos... E enquanto os Headmasters principais eram revividos com deluxes, seus sucessores, os Headmaster Juniors, viam um retorno como parte dos Titanmasters individuais - caso este de Siren, que perdeu seu nome por conta de Trademarks e agora atende por Loudmouth.

A classe de produto é simples: Um titan master individual, sem um corpo maior, e um pequeno veículo ou bicho que pode se converter em outro veículo ou em uma arma para robôs maiores, assim como ser conduzido por seu diminuto parceiro.


Como a maioria dos Titanmasters individuais, Loudmouth é um design original que foi reaproveitado como um personagem clássico. Projetado por Emiliano Santalucia, o design não lembra Quig - o headmaster original de Siren - tanto quanto lembra Siren em si. O visor é pintado em vermelho - todo o resto são cores do plástico.


Como todos os Titanmasters, Loudmouth conta com uma ball joint no pescoço e nos braços - com antenas esculpidas que podem se passar por canhões - e dobradiças no quadril e no joelho. As pernas são um tanto bambas.


Seu veículo é ou um barco futurista ou um airspeeder a la Star Wars - tem quem diga que isso é um carro, mas... sério?


O Titanmaster cabe confortavelmente em seu veículo diminuto.


A forma alternativa, que usa do Titanmaster como um componente, é uma... coisa. Algum tipo de tanque? Landcrawler? Um retângulo com armas?

Como uma cabeça, Loudmouth é uma ótima representação de Siren - do Siren do brinquedo, e não sua versão dos quadrinhos, que parecia mais com a cabeça do boneco do Nightbeat. A cabeça é menos angular e menos quadradona do que a original - e menos azul (apesar da minha iluminação péssima).


Por último, o barco pode ser usado junto com um Titanmaster qualquer para formar uma arma para uma figura maior. Por um lado, é um belo boomstick. Por outro lado... Tem certeza que isso não é só um tanque num palito?


No geral, Loudmouth é um representante mediano da categoria: um robô passável, uma cabeça recheada de nostalgia, e um belo desk toy para aumentar as fileiras dos Autobots.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Juntas Soltas: Car Robots Gigatron

Em 1987, Transformers via algo nunca antes visto: Sixshot, o primeiro de um seleto grupo de transformers conhecido como os Sixchangers. Com seis formas diferentes, Sixshot era fruto de Takashi Kunihiro, designer que mais tarde viria a trabalhar em peças incríveis como Star Saber e os impressionantes Optimus Prime e Jetfire de Revenge of the Fallen.  

Sixshot foi seguido por seu não tão impressionante filho, Quickswitch, e cada um deles teve um retool. Passada a década de 80, o conceito de um robô com seis formas alternativas parecia esquecido - o assunto agora eram animais, não havia mais como justificar os modos abstratos e as partes multiuso dos Sixchangers.


Isso é, até Car Robots, em 2001. Novamente pelas mãos de Kunihiro, uma forma sombria se juntava ao seleto rol dos Sixchangers - embora não recebesse esse título oficialmente: Gigatron, lançado no ocidente pelo mais comercializável nome Megatron. Seus antepassados eram tijolões... mas dessa vez, a arte da transformação sextupla estava em mãos bem mais hábeis...

Ou em uma mão, literalmente...



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Juntas Soltas: Titans Return Hardhead

As linhas "CHUG" (Classics, Henkei, Universe e Generations) foram desde seu princípio, em 2006, uma modernização de designs clássicos de Transformers. Mas poucas o fizeram com tanto afinco quanto Titans Return. Se a antecessora Combiner Wars era uma releitura de vários combiners clássicos - e alguns não combiners, repensados para pertencer ao padrão combiner - Titans Return é em grande parte uma atualização de engenharia dos velhos Headmasters.

Enquanto nas linhas anteriores, o conceito e os elementos fundamentais do design eram revistos por olhos modernos - resultando em coisas como o Springer de Thrillin' 30 ou o Megatron de Combiner Wars - em várias das figuras da linha atual, temos o mesmo design passado por um filtro de modernização, caso do tanque Hardhead.


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Juntas Soltas: Generations Windblade

Em 2013, a Hasbro fez pela primeira vez uma votação para um personagem "criado pelos fãs". Após múltiplas etapas de votação, o resultado saía. Autobot. Valente. Com forma de Jato. Usando uma espada. Nas cores Vermelho e Preto. Telepata. Mulher.

Windblade surgia ante a aprovação de alguns fãs e a ira irracional de outros. Para uma parte do fandom, o resultado da votação era sinal claro de corrupção. Windblade era "fruto de tudo que havia de errado". Obra da "ditadura do politicamente correto" e "imposição do feminismo". Apenas em Beast Wars se viu tamanha ira nas message boards de Transformers. Ira que, surpreendentemente, continua até hoje. 

E em 2014, Windblade chegava ao mercado como parte da linha Generations ao mesmo tempo em que dava as caras nos quadrinhos da IDW, no evento Dark Cybertron, seguindo para uma minissérie própria pelas mãos de Mairghread Scott e Sarah Stone, em uma trama política. Sua presença nos quadrinhos apenas aumentou a raiva de quem via sua existência como um crime contra a franquia. Para essa parte dos fãs, Windblade era uma "Mary Sue superpoderosa" (engraçado como essa "crítica" se usa contra qualquer protagonista feminina hoje em dia), apesar do total fracasso dela em, bem, quase tudo que ela tentou fazer. Entre as muitas lendas inventadas sobre a personagem por parte de quem não leu nada em que ela aparecesse, estava até que ela teria "derrotado Megatron sozinha".

Mas estamos aqui para falar de brinquedos, não de nerds revoltados. 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Juntas Soltas: Dark of the Moon Megatron

Depois de um "avião" que nem tentava disfarçar sua origem alienígena (ou suas partes de robô) e um tanque que aberta e orgulhosamente expunha seu rosto, Megatron finalmente cedeu à necessidade de uma forma alternativa que contasse como um disfarce em Dark of the Moon. Ter seu rosto parcialmente explodido tende a fazer isso com as pessoas. 

E para a revolta de grande parte dos fãs, essa forma alternativa não era um tanque, um jato, um helicóptero militar ou algum outro veículo de destruição em massa. Embora a essa altura da franquia o nome já tivesse sido usado para praticamente qualquer coisa, não foram muitos que viram com bons olhos a decadente forma alternativa do tirano Decepticon no terceiro filme...